Organização

Comissão Organizadora das Comemorações do
Centenário da FLUP

Prof. Doutor Carlos Manuel da Silva Gonçalves – Departamento de Sociologia
Prof.ª Doutora Helena Laura Dias de Lima – Departamento de Ciências da Comunicação e Informação
Prof. Doutor João Carlos dos Santos Garcia – Departamento de Geografia
Prof. Doutor Jorge Fernandes Alves – Departamento de História e de Estudos Políticos e Internacionais
Prof.ª Doutora Maria Celeste Lopes Natário Alves dos Santos – Departamento de Sociologia
Prof.ª Doutora Maria Joana de Sousa Pinto Guimarães de Castro Mendonça – Departamento de Estudos Germanísticos
Prof.ª Doutora Maria Teresa Cordeiro de Moura Soeiro – Departamento de Ciências e Técnicas do Património
Prof. Doutor Pedro Clementino Vilas Boas Tavares – Departamento de Estudos Portugueses e Estudos Românicos
Prof. Doutor Rui Manuel Gomes Carvalho Homem – Departamento de Estudos Anglo-Americanos

A Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP) comemora este ano o centenário da sua criação, plasmada na Lei nº 861, de 27 de agosto de 1919. Desde essa data até à atualidade o percurso da FLUP não foi linear e contínuo. A sua trajetória de vida acompanhou as vicissitudes da história política portuguesa tendo sofrido uma interrupção de três décadas, o que faz com que a sua história se divida em duas fases: a 1ª, de 1919 a 1928, altura em que a FLUP foi mandada encerrar pelo governo da Ditadura Militar; e a 2ª, de 1961, ano em que foi restabelecida, até à atualidade.

Para assinalar o centenário foi preparado um programa diversificado, que se desenrolará ao longo do ano de 2019, tendo início no dia 18 de janeiro com a primeira conferência do ciclo “Conferências do 19”. Este ciclo terá 12 palestras mensais, todas incidindo sobre os saberes e as disciplinas que, ao longo dos anos, têm sido a marca identitária da FLUP. As conferências terão lugar em instituições culturais da cidade, precisamente porque se pretende mostrar que a FLUP está aberta à comunidade e forma pessoas que têm um papel insubstituível na sociedade dos nossos dias.

As comemorações contarão também com um Colóquio Internacional, intitulado “As Letras entre a tradição e a inovação”, a ter lugar nos dias 25 e 26 de junho, o qual pretende promover a reflexão sobre: as Humanidades e as Ciências Sociais e suas relações com outros saberes de matriz científica no espaço académico, mas também em outros espaços de vivência social; os múltiplos desafios que hoje se colocam fruto do digital e seu impacto na Universidade; os modos como se organizam as Humanidades e as Ciências Sociais nas instituições universitárias e as consequências daí decorrentes.

É de salientar ainda a exposição “Culturas e Geografias: 100 anos da Faculdade de Letras da Universidade do Porto”, que estará patente ao público depois do verão no Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto. Pretende-se dar a conhecer o valioso espólio que constituiu o acervo museológico da Faculdade de Letras, na sua primeira fase de vida, o qual é formado por coleções de distintas culturas e geografias, que remontam às primeiras civilizações da história da humanidade, mas que também incluem um interessantíssimo espólio etnográfico, único no nosso país. Trata-se de um vasto acervo, enviado pelos museus de Berlim em troca de uma coleção assíria aprisionada no contexto da 1ª Guerra Mundial, que vai ser estudado e criteriosamente selecionado por especialistas nacionais e estrangeiros para a exposição.

Até final do ano espera-se também concretizar a inauguração do Centro de Estudos da Cultura em Portugal da Universidade do Porto, no Palacete Burmester, onde ficará instalado o valioso fundo documental (biblioteca e arquivo) de Vasco Graça Moura, que foi entregue à Faculdade de Letras em 2016. Tendo sido inventariado no seu habitat original, em Almeirim, foi recentemente transferido para o Porto e será acondicionado no Palacete Burmester logo que as obras de requalificação do edifício estejam concluídas. A este fundo documental se juntarão outros, como é o caso das obras de Linguística que pertenceram a Óscar Lopes e que já foram doadas à FLUP ou outros acervos, em formato digital, que também foram entregues para estudo e investigação. Este Centro de Estudos será, certamente, um organismo vivo que promoverá o conhecimento e a divulgação das múltiplas facetas da cultura portuguesa, em estreita relação com as Unidades de Investigação da FLUP e com outros centros e investigadores nacionais e estrangeiros, procurando contribuir para o aprofundamento da compreensão do património literário e cultural português que emerge da produção escrita de caráter humanístico.

Complementarmente a estas iniciativas de maior relevo, as comemorações integrarão também outros eventos, designadamente exposições bibliográficas, documentais e virtuais (online), e momentos de convívio, agregadores de toda a comunidade académica. Na página web da FLUP é possível acompanhar os eventos comemorativos (https://blogs.letras.up.pt/100anosflup/).

Será um ano de festa e de celebração, mas também uma oportunidade para a FLUP refletir sobre si própria, o seu papel na sociedade e as estratégias para o futuro, numa lógica de renovação, embora não perdendo nunca de vista a sua matriz identitária.

Fernanda Ribeiro,
Diretora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Deixar uma resposta